Dependência

Os braços do Pai abertos permanecem,
ainda quentes, amáveis, esperançosos.
Contemplando de longe e as imagens desaparecem
dos filhos pródigos, vaidosos, orgulhosos.

Ai de mim voar sozinho, 
largar as mãos do Pai,
seguir o meu caminho,
ser o filho que se vai.

Não me prendes pra que eu fique.
Não impedes que eu vá.
Me disseste que sou livre,
posso com meus pés andar.

Mas renego minha vontade.
Crucifico os sonhos meus. vAbro mão da liberdade
pra viver nos braços teus.

Vinícius Soares
Extraído da revista Desafio Missionário – 4T2009

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *